sábado, 19 de agosto de 2017

Fernando Pessoa

Há um tempo em que é preciso abandonar as roupas usadas, que já tem a forma do nosso corpo, e esquecer os nossos caminhos, que nos levam sempre aos meus lugares. É o tempo da travessia e, senão ousarmos fazê-lo teremos ficado pra sempre à margem de nós mesmos.

Grande Fernando Pessoa <3 br="">

sábado, 12 de agosto de 2017

Eu preciso, original em 30/01/1989

Num aconchegante café, eu me fiz essa simples pergunta: - O que eu preciso ?/

Meu poema: Eu preciso, com *duas sugestões de um ser humano especial, de outro planeta, a N.V.


Eu preciso respeitar os sinais enviados pelo universo
Eu preciso curtir mais os pequenos prazeres da vida
*Eu preciso ter mais coragem 
Eu preciso de música
Eu preciso de sol
Eu preciso de vida
Eu preciso de cores
Eu preciso de carinho
Eu preciso de você
Eu preciso aprender mais com o meu filho
Eu preciso sonhar mais

Eu preciso de mais amor
Eu preciso de mais encontros verdadeiros
Eu preciso de acolhimento
Eu preciso de respeito
Eu preciso errar mais
Eu preciso de menos opiniões alheias
Eu preciso segurar melhor as rédeas da minha vida
Eu preciso ouvir muito e falar pouco
Eu preciso de uma viagem interior
Eu preciso ouvir atentamente o silêncio
E finalmente eu preciso sorrir e * sorrir ainda mais...

segunda-feira, 26 de setembro de 2016

Cordas

Por um mundo repleto de Marias

Mais uma homenagem a Maria Villar Galaz, uma amiga e uma sobrinha muito especial  <3 br="">


<3 br="" nbsp="">



Esse vídeo é genial !
 
https://www.youtube.com/watch?v=QUhmfeR9OZc

segunda-feira, 19 de outubro de 2015

Onde colocar o sal

ONDE COLOCAR O SAL
“O velho Mestre pediu a um jovem triste que colocasse uma mão cheia de sal em um copo d'água e bebesse.
Qual é o gosto? - perguntou o Mestre.
Ruim - disse o aprendiz.
O Mestre sorriu e pediu ao jovem que pegasse outra mão cheia de sal e levasse a um lago.
Os dois caminharam em silêncio e o jovem jogou o sal no lago.
Então o velho disse: - Beba um pouco dessa água.
Enquanto a água escorria do queixo do jovem o Mestre perguntou: - Qual é o gosto?
- Bom! Disse o rapaz.
- Você sente o gosto do sal? Perguntou o Mestre.
- Não… - disse o jovem.
O Mestre então, sentou ao lado do jovem, pegou em suas mãos e disse:
- A dor na vida de uma pessoa não muda. Mas o sabor da dor depende de onde a colocamos.
Quando você sentir dor, a única coisa que você deve fazer é aumentar o sentido de tudo o que está a sua volta.
É dar mais valor ao que você tem, do que ao que você perdeu.
Em outras palavras: É deixar de Ser copo para tornar-se um Lago. 
Somos o que fazemos, mas somos principalmente, o que fazemos para mudar o que somos… ”
Fonte Eneida Fausto via Facebook

quarta-feira, 26 de agosto de 2015